Big Data: o que é, como funciona e quais as boas práticas para usar dados na estratégia da sua empresa

O uso de dados ganha cada vez mais protagonismo no mundo dos negócios e entender como funciona e quais os impactos do Big Data deixou de ser opcional para se tornar imprescindível. Saiba por quê.

Resultados Digitais
Resultados Digitais3 de outubro de 2023
Lançamento dos Panoramas de Vendas 2024

O Big Data está cada vez mais presente na vida dos consumidores. Basta ir numa farmácia e, no momento da compra, fornecer o número do CPF para ganhar um desconto, o que, para a empresa, gera um dado estratégico sobre hábitos e comportamento do consumidor. 

Isso pode ser usado, por exemplo, para o gerenciamento de estoque ou ainda para buscar melhores acordos com a indústria. O mesmo ocorre no e-commerce ou nos bancos, entre outros negócios, que podem proporcionar uma experiência personalizada para atrair e fidelizar clientes.

Como se vê, coletar, processar, armazenar e analisar dados precisa estar nas prioridades de empresas, independentemente do segmento em que atuam. Por isso, continue lendo este artigo para entender em detalhes o conceito, o funcionamento, os desafios e as boas práticas para adotar o Big Data na rotina da sua empresa.

Boa leitura.

O que é Big Data?

Big Data é um termo que descreve o imenso volume de dados, tanto estruturados quanto não estruturados, que são gerados e acumulados em diferentes situações a cada segundo em nosso mundo digital. Estamos falando de dados que vão desde registros de transações financeiras, interações em redes sociais, sensores de dispositivos IoT (Internet das Coisas), registros médicos, entre outros.

Nesse cenário, o que torna o Big Data essencial não é apenas o volume de dados, mas a capacidade de usá-los de maneira estratégica para gerar insights, tomar decisões informadas e criar novas oportunidades de negócios.

>> Leia também: Como melhorar suas estratégias por meio do Marketing de Dados 

O surgimento do conceito de Big Data pode ser rastreado desde os primeiros dias da computação, mas foi na virada do século 21 que realmente ganhou protagonismo – sendo, inclusive, headlight em diferentes edições do RD Summit [inclusive na de 2023]

Com o boom da internet e a popularização de dispositivos móveis, a quantidade de dados gerados cresceu exponencialmente. Além disso, os custos de armazenamento e processamento dos dados ficaram mais acessíveis.

Quais os 3Vs do Big Data?

Se no marketing temos os 4Ps, no Big Data são os 3Vs (Volume, Velocidade e Variedade) os pilares que ajudam as empresas a lidar com os dados gerados pela operação. 

Estabelecidos no início dos anos 2000, os 3Vs fornecem uma estrutura para a construção de estratégias de dados robustas e orientadas para o futuro.

Saiba mais sobre os 3Vs do Big Data:

  • Volume: O Volume destaca a imensa quantidade de dados que são gerados constantemente por intermédio de interações em redes sociais, transações comerciais, dispositivos IoT ou qualquer outra fonte digital. Ao entender o Volume, as empresas podem dimensionar suas infraestruturas adequadamente e o desafio é como armazenar e processar inúmeros dados de forma eficiente.
  • Velocidade: A Velocidade refere-se à taxa acelerada com que os dados são produzidos e a necessidade de processá-los em tempo real. A capacidade de coletar, processar e analisar dados tornou-se ainda mais evidente com a chegada de tecnologias como streaming e a Internet das Coisas.
  • Variedade: A Variedade destaca a multiplicidade de fontes e tipos de dados para a geração de insights. E a empresa não lida apenas com dados estruturados, como tabelas e bancos de dados, mas também com uma vasta gama de dados não estruturados, como imagens, vídeos, textos, entre outros. Isso exige soluções e abordagens diversificadas para coleta, armazenamento e análise.

Como o Big Data funciona?

Diversos setores de uma empresa, como marketing, finanças, operações, recursos humanos e atendimento ao cliente, estão profundamente envolvidos na rotina de uso do Big Data, cada um com suas necessidades e objetivos específicos. Dessa forma, a rotina de uso do Big Data funciona com as seguintes etapas:

Coleta de Dados - Esta é a fase inicial onde os dados são adquiridos de várias fontes. Estamos falando de dados de redes sociais, registros de transações, sensores IoT, feedbacks de clientes, entre outras. A diversidade de fontes pode variar de acordo com o setor e os objetivos da empresa.

Processamento - Uma vez coletados, os dados passam por um processo de limpeza e transformação. Isso geralmente ocorre em plataformas de processamento de dados que são capazes de lidar com grandes volumes de dados de maneira eficiente.

Armazenamento - Os dados processados são então armazenados para análise futura. Soluções como bancos de dados NoSQL (Bancos de Dados Não Relacionais) ou sistemas de armazenamento distribuído são comuns para armazenar Big Data devido à sua escalabilidade e flexibilidade.

Análise - Nesta etapa, ferramentas analíticas avançadas e algoritmos específicos são usados para vasculhar os dados e extrair insights valiosos. Existem softwares frequentemente utilizados para essa finalidade, permitindo que as empresas identifiquem tendências, padrões e oportunidades.

Visualização - Após a análise, o passo seguinte é apresentar os insights de uma forma que seja facilmente compreendida. Ferramentas de visualização, como Tableau ou Power BI, ajudam a transformar complexos conjuntos de dados em gráficos, dashboards e relatórios interativos, facilitando a tomada de decisão baseada em dados.

>> Leia também: CRM Dashboard: o que é e como usá-lo na sua estratégia de Marketing e Vendas 

Quais os desafios do uso do Big Data?

A implementação e utilização eficaz do Big Data em uma empresa trazem consigo uma série de vantagens competitivas. Mas para colher esses benefícios, é preciso estar atento aos desafios para garantir que o uso de dados seja não apenas eficiente, mas também seguro e estratégico. Veja quais são:

  • Segurança: À medida que o volume de dados cresce, também cresce a necessidade de protegê-los contra violações e ameaças.
  • Qualidade dos dados: A coleta de dados é apenas o começo. É essencial garantir que os dados sejam precisos, atualizados e relevantes para as necessidades da empresa.
  • Armazenamento: A quantidade crescente de dados exige soluções de armazenamento escaláveis e eficientes.
  • Análise em tempo real: Em um mundo em constante mudança, a capacidade de analisar dados em tempo real é crucial para tomar decisões informadas rapidamente.

Casos de uso do Big Data

O Big Data tem impactado diversos setores da economia, transformando processos e moldando novas estratégias. Os setores financeiro e da saúde têm se destacado no uso de dados. Confira:

  • Setor financeiro - Bancos e instituições financeiras estão utilizando o Big Data para analisar padrões de transações, detectar fraudes em tempo real e personalizar ofertas para clientes. Por exemplo, algoritmos avançados podem identificar atividades suspeitas em contas bancárias, alertando tanto a instituição quanto o cliente quase instantaneamente.
  • Saúde: No campo da medicina, o Big Data é usado para analisar registros médicos, resultados de exames e históricos de pacientes para prever surtos de doenças, melhorar diagnósticos e até personalizar tratamentos. Hospitais e clínicas estão utilizando esses dados para otimizar a gestão de pacientes e melhorar os resultados dos tratamentos.

Big Data no Marketing Digital

No marketing digital, o Big Data ajuda as empresas a entenderem padrões de comportamento do consumidor, identificarem tendências e otimizar campanhas publicitárias. Por exemplo, ao analisar os hábitos de navegação de um usuário, uma empresa pode personalizar anúncios que sejam mais relevantes para ele, aumentando as chances de conversão. Além disso, análises em tempo real permitem que a equipe de marketing ajuste campanhas em andamento, garantindo que os recursos sejam utilizados da maneira mais eficiente possível.

Boas práticas para uso do Big Data

A implementação eficaz do Big Data é um processo que exige estratégia, planejamento e uma abordagem sistemática, representado nas boas práticas a seguir:

  • Defina seus objetivos

Definir objetivos claros ajudará a direcionar seus esforços e maximizar o retorno sobre o investimento. Por exemplo, um objetivo pode ser aumentar as vendas em 20% através de campanhas de marketing direcionadas baseadas em análises de comportamento do consumidor.

  • Invista em segurança

A segurança dos dados deve ser uma prioridade máxima. Isso significa implementar medidas rigorosas, como criptografia, autenticação de dois fatores e firewalls avançados. É essencial escolher parceiros e provedores de serviços que sigam padrões de segurança reconhecidos e estejam em conformidade com regulamentações relevantes.

  • Capacite sua equipe

Além de entender os princípios básicos do Big Data, sua equipe deve ser treinada em áreas como análise de dados, uso de ferramentas específicas, ética de dados e interpretação de insights.

  • Use ferramentas adequadas

Cada etapa do processo de Big Data requer ferramentas específicas. Ao escolher essas ferramentas, considere fatores como escalabilidade, facilidade de uso, integração com outros sistemas e custo.

Importante: O Big Data está em constante evolução. Novas tecnologias, algoritmos e práticas surgem regularmente. Assine newsletters, participe de workshops e conferências, e esteja sempre atento às últimas novidades e tendências.

Manifesto de Inteligência Artificial da RD Station

A ascensão da Inteligência Artificial (IA) tem revolucionado diversos setores, incluindo o Marketing Digital. O Big Data é parte desse momento e, por isso, nunca é demais abordar e entender os aspectos éticos e práticos da IA.

Nesse contexto, a RD Station, reconhecendo a importância dessas considerações, lançou o Manifesto de Inteligência Artificial. Este documento não é apenas um guia, mas uma forte declaração de princípios que sublinha o compromisso da RD Station em garantir um uso ético e responsável da IA. O manifesto aborda pontos cruciais como transparência, segurança e inclusão.Para uma visão mais detalhada e uma compreensão aprofundada das diretrizes que orientam o uso ético da IA, a RD Station recomenda a leitura completa do nosso manifesto. Acesse no link https://www.rdstation.com/inteligencia-artificial.

Resultados Digitais

Resultados Digitais

Quem escreveu este post

Resultados Digitais é o portal de conteúdo, mídia e educação da RD Station, líder no desenvolvimento de software (SaaS) voltado para o crescimento de médias e pequenas empresas. Sua plataforma de automação de Marketing e Vendas é líder no Brasil e soma mais de 50.000 clientes, em mais de 40 países.

Veja também

Marketing
Glossário de Marketing Digital – com vídeos!
Marketing
5 dicas para atrair novos clientes com Inbound Commerce
Marketing
Como uma agência de Marketing Digital pode ajudar na transformação do seu negócio na quarentena