Marketing de Conteúdo: tudo que você precisa saber

Descubra o que é Marketing de Conteúdo, exemplos práticos, como planejar do zero e começar a gerar mais negócios com essa estratégia.

André Siqueira
André Siqueira20 de junho de 2024
Acesse agora!

Marketing de Conteúdo é uma estratégia de Marketing focada na criação e distribuição de conteúdo relevante, como artigos, eBooks e posts nas redes sociais, sem promover a marca de forma direta.

Segundo o Panorama de Marketing 2024 produzido pela RD Station, dentre as estratégias de Marketing mais exploradas no Brasil, o Marketing de Conteúdo está em terceiro lugar, com 66%. 

Sendo assim, já podemos ter uma ideia da importância dessa estratégia para o sucesso de uma empresa. A seguir, você pode conferir todos os detalhes sobre esse importante pilar das ações de Marketing.

O que é Marketing de Conteúdo?

Marketing de Conteúdo é a estratégia de produzir conteúdos para seu público-alvo, que o auxilie em todo processo de compra e o atraia para você de forma natural e espontânea. Podemos dizer que é o combustível ou a base do Inbound Marketing.

A ideia consiste em educar as pessoas. Assim, futuramente, elas não só terão sua marca como referência, mas também se tornarão clientes de sua empresa.

Esse é um tipo de tática de Marketing que envolve a criação e ampliação de conteúdo online em diferentes formatos:

  • vídeos;
  • imagens;
  • podcasts;
  • posts em blogs;
  • posts em redes sociais.

Agora responda: você acorda e busca por vídeos falando sobre notícias? Você ouve seu podcast favorito em qualquer lugar? Você lê uma newsletter durante sua pausa para o almoço? Todas essas são diferentes formas de consumir conteúdo. E por trás disso, está uma estratégia de Marketing bem executada.

É por tudo isso que Marketing de Conteúdo superou as táticas de Marketing mais tradicionais, já que ofereceu uma maneira nova e empolgante de se conectar com clientes em potencial. Tudo isso, sem parecer excessivamente autopromocional.

Seu principal objetivo é atrair, engajar e reter um público, fornecendo conteúdo consistente, valioso e relevante, projetado para ajudar a resolver problemas, entreter e educar. 

Ou seja, o Marketing de Conteúdo, diferente de um release de uma assessoria de imprensa ou do que ainda é feito no Marketing tradicional, não é sobre o que sua empresa faz, mas sobre o que seus clientes precisam.

A história do Marketing de Conteúdo

O poder do Marketing de Conteúdo está em atrair novos clientes, educar seu público, gerar receita e aumentar o reconhecimento de marca no mercado. Isso é tudo o que você e sua empresa precisam, não é mesmo? Mas para chegar nesses benefícios, é importante conhecer o histórico dessa estratégia.

Podemos dizer que o significado de Marketing de Conteúdo é relativamente novo. Somente no século XXI que esse conceito foi definido e que estudos, análises e experimentos começaram a ser realizados.

No entanto, suas aplicações já aconteciam antes mesmo da era digital. Sim, essa estratégia também existe offline. E faz tempo!

Mas como assim? Isso não é parte do Inbound Marketing? Como poderia existir antes da ascensão da internet?

Vamos contextualizar historicamente com um exemplo clássico, veja a seguir.

Revista The Furrow, da John Deere

Em 1895, a John Deere, empresa líder no segmento de máquinas agrícolas, publicou a primeira edição da revista “The Furrow”. A publicação segue em circulação até hoje e é focada em assuntos relacionados à agricultura.

Com essa revista, a empresa ousou, e optou por compartilhar conteúdo com o público interessado em agricultura em vez de simplesmente criar anúncios “empurrando” os produtos que são fabricados pela empresa.

💡 Lembre-se: Marketing de Conteúdo não é sobre o que sua empresa faz, mas sobre o que seus clientes precisam.

É verdade que nem todos os leitores da revista possuíam tratores da John Deere. Mas, ao consumir a informação da marca, poderiam descobrir dores que julgavam ser inexistentes até então. E ao sentir a necessidade de fazer uma compra, optariam por uma marca de confiança. E qual seria, se não a John Deere?

Ou seja, a revista cumpre exatamente o propósito do conceito: educar o público, ganhar autoridade no assunto e influenciar na decisão de compra. É um dos primeiros registros de Marketing de Conteúdo, e desde então, várias marcas fazem o uso da prática.

Se no mercado de publicidade que emplaca propagandas em TVs o foco ainda é muitas vezes falar “compre, compre, o preço é esse”, aqui estamos tratando de uma abordagem de médio e longo prazo, para fazer o público entender que sua marca consegue entregar os produtos e soluções que ele realmente precisa.

Por que Marketing de Conteúdo é importante para seu negócio?

Apesar do grande número de possibilidades de aplicações do Marketing Digital, existem aquelas estratégias e técnicas que se destacam e são usadas pela maioria das empresas, por trazerem normalmente resultados positivos. 

Segundo o Panorama de Marketing da RD Station, as estratégias mais escolhidas pelos times de Marketing são as seguintes:

dados de Marketing de Conteúdo

Como vimos no início do texto, estratégias que envolvem Marketing de Conteúdo estão em terceiro lugar, dentre as mais usadas. Mas afinal, quais os motivos que tornam o uso do Marketing de Conteúdo um elemento tão relevante para os negócios para aparecer na primeira posição dessa lista?

A resposta é simples: essa é a forma mais efetiva para aumentar a visibilidade online da sua marca.

Isso porque, publicar conteúdo de alta qualidade em seu site ou Blog tem o potencial de aumentar o número de suas páginas indexadas pelos mecanismos de pesquisa e, por consequência, conquistar mais visitantes. 

As regras do jogo são simples:

  • Quando temos uma dúvida para resolver um problema, onde vamos buscar por ela? No Google.
  • E quem aparece nos resultados de pesquisa? Páginas publicadas nos diversos sites espalhados pela internet.
  • Qual o formato destas páginas quando escolhemos uma para clicar? Na maioria das vezes são páginas de conteúdo que detalham o tema pesquisado.

Nesse caso, os rankings desempenham um papel fundamental para melhorar sua visibilidade online e colocar sua marca na frente de seu público-alvo e, como tal, é importante para aumentar a geração de conversões e Leads.

Lembre-se de encontrar um equilíbrio entre o conteúdo produzido para aparecer nas primeiras posições dos buscadores e o conteúdo amigável, para obter os melhores resultados, aquele que fala diretamente com o público.

Além disso, existem outros motivos que tornam o uso do conteúdo cada vez mais essencial para as estratégias de Marketing. Confira os 3 principais:

1. Atrair novos Leads

O mercado já sabe que usar as estratégias de Marketing Digital gera três vezes mais Leads do que as táticas de Marketing tradicionais. Mas, para que ela funcione, ter um fluxo de produção de conteúdo é algo essencial na sua estratégia. 

Toda ação de Marketing no meio digital é projetada para fornecer conteúdo valioso para um público-alvo e criar relacionamentos de longo prazo, baseados na confiança que atraem Leads Qualificados. Sem isso, as pessoas não vão encontrar sua empresa e muito menos compartilhar seus dados de contato para manter um relacionamento.

Veremos logo mais que existem diferentes formatos e métodos para entregar conteúdos relevantes mediante a conversão em formulários. Seu foco principal é ter um site e Blog que entrega esse conteúdo de maneira simples e otimizada para gerar uma boa experiência com todos os usuários que chegam até lá.

2. Crie uma jornada para seu público

Da mesma forma que suas páginas de conteúdo são o primeiro ponto de contato do público com a sua empresa, o conteúdo desempenha um papel importante na criação de uma jornada de usuário perfeita, essencial para fornecer uma ótima experiência ao cliente.

Essa jornada é essencial porque dificilmente alguém que chega pela primeira vez nos seus conteúdos vai querer efetuar uma compra. É preciso construir em conjunto o entendimento de que você possui uma solução ideal para resolver os problemas encontrados por esse público.

Se houver atrito ao longo do caminho, é menos provável que seus clientes cheguem à conversão em vendas e ainda menos provável que voltem. Por isso, mapear e otimizar cada ponto de contato com o cliente ajudará você a criar uma experiência totalmente orientada ao usuário. 

Mas, como desenvolver uma jornada com conteúdos em sequência? 

Ao estudar sobre Marketing Digital, você certamente já esbarrou nas palavras topo, meio e fundo de funil. Esses termos representam os estágios do funil de Vendas, que serve para mostrar o caminho que o cliente faz desde que tem o primeiro contato com a sua empresa até quando se torna um cliente.

Entender como o Funil de Vendas funciona e desenvolver estratégias que conduzam seus contatos do topo até o fundo dele é essencial para a eficácia do Inbound Marketing. O detalhe é que, em geral, usamos conteúdo para fazer esse movimento!

Veja agora como cada etapa exige uma estrutura de conteúdo específica para ter resultados cada vez melhores.

Topo do Funil (TOFU)

O topo do funil é o estágio de conscientização, no qual os clientes em potencial estão aprendendo pela primeira vez sobre algum tema que envolve seu setor. E isso pode ser feito clicando em um anúncio, encontrando seu site por meio de uma pesquisa no Google ou sendo indicado por um amigo.

Nesta fase, o conteúdo é focado na educação dos leitores, repassando as informações básicas, mas já despertando na audiência a confirmação de que existe um problema que precisa ser resolvido.

Cumprindo essas funções, os conteúdos das próximas etapas estarão disponíveis para entregar mais informações.

Meio do Funil (MOFU)

O meio do funil é a fase de interesse, no qual os prospects começam a fazer suas pesquisas e comparar suas opções antes de comprar.

Nesse ponto, os usuários já sabem quem você é, portanto, seu conteúdo deve se concentrar em se diferenciar dos concorrentes e conquistá-los. Isso pode ser feito por meio de depoimentos, vídeos de demonstração ou estudos de caso, por exemplo.

Fundo do Funil (BOFU)

A parte inferior do funil é a fase de conversão, na qual os usuários agora têm todas as informações necessárias para decidir e, assim, comprar seu produto ou serviço.

O conteúdo nesta fase deve ser projetado para ajudar os usuários a converter na última etapa de compra, como as avaliações gratuitas, ofertas promocionais ou cupons de desconto.

3. Aumente suas conversões em Vendas

As conversões em Vendas são o objetivo final de qualquer empresa. Quando um usuário realiza a última ação desejada, seja pegando o telefone ou preenchendo um formulário de contato, certamente existe uma base de conhecimento pela qual ele passou antes, conhecendo a sua empresa e entendendo, com os conteúdos, que poderia encontrar o que precisa.

Por dar esse contexto na jornada de compra, o Marketing de Conteúdo fornece taxas de conversão cerca de 6 vezes maiores do que outros métodos de Marketing, como os links patrocinados, por exemplo.

Portanto, embora o Marketing de Conteúdo possa exigir muito esforço e tempo, já que você nem sempre verá os resultados instantaneamente, no longo prazo, criar conteúdo sempre vale a pena.

A seguir, Jonatan Rodrigues, Produtor de Conteúdo na RD Station, fala mais sobre o poder do conteúdo no Marketing Digital. Esse vídeo é um trecho do Curso de Marketing Digital Gratuito, da RD University, e você pode se inscrever e garantir seu certificado!

Outras vantagens do Marketing de Conteúdo

Aqui na RD Station, por exemplo, o conteúdo é o foco. É com materiais educativos e com nosso blog que atraímos nossos clientes, ensinamos nossa metodologia e continuamos um relacionamento após a compra para que eles continuem conosco.

O blog, aliás, foi onde tudo começou. Antes mesmo de lançarmos o nosso software de Marketing Digital, o RD Station Marketing, já produzíamos conteúdo sobre o assunto nesse canal. Ele sempre foi e sempre será indispensável para o sucesso da empresa.

Mas não nos limitamos apenas a exemplos próprios. Analise grandes empresas do mercado, independentemente do segmento, e note como elas estão usando isso a seu favor.

Red Bull, GoPro, McDonald’s, Vivo, Magazine Luiza, Samsung, Walmart, General Electric e outras gigantes do mercado já fazem Marketing de Conteúdo.

Dentre seus vários objetivos, podemos destacar 6:

1. Aumentar sua visibilidade na internet

Marketing de Conteúdo tem ampla influência nas estratégias de SEO de um site. Sabemos que, hoje, não basta produzir conteúdo com palavras-chave soltas em meio aos textos ou fazer link building em grande quantidade, mas sem qualidade.

O algoritmo de busca do Google se desenvolveu muito e já consegue perceber o que é um conteúdo relevante para o usuário. Dados como CTR na SERP, tempo de permanência na página e qualidade dos links referenciados no texto são analisados e influenciam no ranqueamento.

Além disso, diversas empresas já produzem conteúdo em escala com a ajuda de IAs generativas. Dessa forma, é preciso trazer conteúdos cada vez mais valorosos para o público se sua empresa quer se destacar das demais.

2. Aumentar a interação com sua marca

Marketing de Conteúdo também serve como um canal de interação com sua marca, para que os clientes possam conversar com sua empresa, tirar dúvidas e enviar sugestões.

Conseguir a atenção da audiência e fazer com que ela compartilhe seu conteúdo com seus seguidores nas Redes Sociais, por exemplo, é uma forma de publicidade espontânea.

Seja por meio de um Blog, uma central de ajuda, um treinamento em vídeo ou nas redes sociais, o conteúdo que você cria pode ter alto potencial de engajamento.

3. Nutrir sua base de Leads

É importante considerar que, por mais extensa que seja sua base de Leads, nem todas as pessoas estão prontas para consumir seu produto ou seu serviço.

Isso não significa que elas nunca serão seus clientes. Em muitos casos, o que falta é um pouco mais de informação até que essas pessoas vejam valor no que sua empresa oferece e tenham estrutura para poderem utilizar e ter uma boa experiência com seu produto ou serviço.

Por meio do Marketing de Conteúdo, é possível nutrir esses Leads com material relevante que irá prepará-los até que o momento ideal da compra possa chegar. Dessa forma, você não descarta diretamente um prospect despreparado, e sim posterga a compra para uma ocasião mais favorável.

4. Reduzir o custo de aquisição de clientes

O custo de aquisição de clientes (CAC) é, como o próprio nome revela, quanto sua empresa gasta em média para adquirir um cliente novo.

E se sua empresa investe em Marketing de Conteúdo e em SEO, naturalmente novos potenciais clientes acessarão seu site de forma orgânica e recorrente, sem que você precise se esforçar mais para isso.

5. Ganhar confiança do público e adquirir propagadores de sua marca

Assim como o Marketing mudou, o mesmo vale para a forma como o público enxerga as marcas e realiza compras. Produzir conteúdo de qualidade faz com que sua empresa se torne autoridade no mercado e, consequentemente, ganhe confiança.

Uma empresa que está investindo tempo para produzir conteúdo gratuito para seus clientes e entregando valor para essas pessoas certamente será lembrada com muito mais força quando comparada a uma concorrente que não faz o mesmo.

Além disso, ao falar sobre suas personas e não sobre sua empresa, você cria as chances de que esse público propague sua marca para sua rede de contatos, uma vez que, satisfeitos por terem problemas solucionados, poderão compartilhar seu conteúdo com seus amigos que possuem as mesmas dores.

6. Melhorar a experiência pós-venda

Pode ser um FAQ, uma central de ajuda, um treinamento online ou mesmo um fluxo de Email Marketing focado no cliente. Ou seja, fazer Marketing de Conteúdo para o cliente é uma força considerável para garantir a retenção e fidelização.

A boa experiência em um pós-venda é fundamental para que seu cliente continue utilizando os serviços ou produtos da sua empresa por mais tempo.

Quais são os 4 pilares do Marketing de Conteúdo?

Não existe receita de bolo para uma estratégia dar certo, porém é importante usar algumas etapas padrão. Os quatro pilares do Marketing de Conteúdo são fundamentais para a criação e execução de uma estratégia eficaz. Eles são: planejamento, criação, distribuição e análise. Vamos detalhar cada um deles:

1. Planejamento estratégico

Tudo começa com um planejamento estratégico sólido. Para isso, é essencial definir objetivos claros e mensuráveis. Você precisa saber exatamente o que deseja alcançar com o seu Marketing de Conteúdo, seja aumentar a visibilidade da marca, gerar Leads ou fidelizar clientes. Com metas bem definidas, suas ações terão um norte claro. 

Além disso, é crucial entender quem é seu público-alvo. Conhecer as características, necessidades e interesses da sua persona te ajuda a produzir materiais relevantes e que engajam.

Analisar a concorrência também é uma etapa importante. Observar o que seus concorrentes estão fazendo pode revelar pontos fortes e fracos das estratégias deles, permitindo que você encontre oportunidades de se diferenciar. 

Definir quais formatos de conteúdo você irá produzir é outro aspecto vital do planejamento. Seja blogposts, artigos, vídeos, infográficos, eBooks ou podcasts, escolha os formatos que melhor se adequam ao seu público e objetivos.

2. Criação de conteúdo de valor

Com o planejamento em mãos, o próximo passo é a criação de conteúdo de valor. Seu conteúdo deve ser relevante e útil para o público-alvo, respondendo às suas dúvidas e solucionando seus problemas. Para isso, investir na qualidade do material é fundamental. 

Isso significa produzir textos bem escritos, revisados e formatados, além de utilizar imagens e vídeos de alta qualidade. Originalidade também é chave: criar conteúdos únicos e autênticos que se destaquem da concorrência é essencial para atrair e manter a atenção do público. 

Oferecer uma variedade de formatos é igualmente importante para atender às diferentes preferências dos seus leitores. E não se esqueça da otimização para SEO, que garante que seu conteúdo seja facilmente encontrado nos mecanismos de busca. 

Lembre-se: é muito importante ter consistência na publicação de novos conteúdos, para manter o público engajado e interessado.

3. Distribuição e promoção

Depois de criar um conteúdo de qualidade, a próxima etapa é sua distribuição e promoção. É preciso divulgar seu conteúdo nos canais onde seu público-alvo está presente, como Blogs, Redes Sociais e Email Marketing. 

Por exemplo, utilizar as Redes Sociais para compartilhar seu conteúdo e interagir com seu público pode aumentar significativamente seu alcance. Construir uma lista de emails e enviar newsletters com seus melhores conteúdos também é uma ótima forma de manter seu público atualizado e engajado. 

Além disso, explorar outras estratégias de promoção, como guest posts, participação em eventos e anúncios online, pode ampliar ainda mais a visibilidade do seu conteúdo.

4. Análise e medição

Por fim, a análise e medição dos resultados são essenciais para entender o impacto das suas ações. Isto porque, monitorar as métricas definidas no planejamento estratégico ajuda a avaliar o desempenho do seu Marketing de Conteúdo. 

Identificar o que funciona e o que não funciona permite fazer ajustes e otimizações contínuas na sua estratégia. Lembre-se de que o Marketing de Conteúdo é um processo contínuo que exige atenção e melhoria constante.

Ao integrar esses quatro pilares — planejamento estratégico, criação de conteúdo de valor, distribuição e promoção e análise e medição — você estará no caminho certo para construir uma estratégia de Marketing de Conteúdo que gere resultados concretos para o seu negócio. Esses pilares estão interligados e devem ser trabalhados de forma conjunta para alcançar o sucesso desejado.

Quais as etapas do Marketing de Conteúdo?

No contexto do Marketing de Conteúdo, pilares e etapas são conceitos diferentes, embora interligados. Vamos esclarecer um pouco mais. 

Pilares representam os fundamentos essenciais e estruturantes da estratégia, que a sustentam e garantem sua solidez. São os princípios norteadores que definem o que você faz e porque o faz. Como vimos no tópico anterior, no Marketing de Conteúdo, os 4 pilares são:

  • Planejamento estratégico: define os objetivos, público-alvo, canais de distribuição, formatos de conteúdo e métricas de sucesso.
  • Criação de conteúdo de valor: garante a produção de material relevante, útil, original e de alta qualidade para o público-alvo.
  • Distribuição e promoção: leva o conteúdo para o público certo, utilizando os canais mais eficientes e estratégias de engajamento.
  • Análise e medição: monitora os resultados, identifica pontos fortes e fracos e otimiza a estratégia continuamente.

Por outro lado, as etapas representam os passos sequenciais e operacionais para colocar a estratégia em prática. São as ações concretas que transformam os pilares em resultados. No caso do Marketing de Conteúdo, são 6 etapas: 

  1. Pesquisa: entender o público-alvo, o mercado e a concorrência.
  2. Planejamento: definir objetivos, criar um calendário editorial e escolher formatos de conteúdo.
  3. Criação de conteúdo: desenvolver conteúdos relevantes e de alta qualidade.
  4. Distribuição: compartilhar o conteúdo por meio dos canais apropriados.
  5. Promoção: aumentar a visibilidade e o alcance do conteúdo por meio de diversas estratégias.
  6. Análise e medição: avaliar o desempenho do conteúdo e ajustar a estratégia conforme necessário.

O importante é planejar e desenvolver a estratégia de Marketing de Conteúdo de forma estruturada e consistente. Por isso, não comece em um dia e pare três semanas depois!

Mais adiante, vamos falar sobre alguns erros mais comuns e que você precisa de atenção para não cometê-los. 

Como conseguir apoio de lideranças em uma estratégia de Marketing de Conteúdo?

Tal como aconteceu com as Mídias Sociais, agora o Marketing de Conteúdo já deixou para trás o estágio de encantamento, passando para um momento diferente, no qual precisa provar o seu ROI (Retorno sobre o Investimento).

Essa prova é sem dúvida um dos grandes desafios de qualquer profissional de Marketing. Afinal, quanta receita o Marketing de Conteúdo pode trazer?

Para muitos, conseguir medir o sucesso comercial do Marketing de Conteúdo ainda é muito difícil, o que faz com que muitos profissionais de Marketing se baseiem em resultados que são às vezes mais fáceis de justificar, como, por exemplo, o engajamento (curtidas, compartilhamentos e comentários). Porém, empresas são negócios, e negócios precisam ter lucro. Falar apenas em engajamento não garante que o gestor acredite na proposta.

Mesmo que todo profissional de Marketing entenda que quando se escreve com qualidade é possível transmitir informação relevante aos visitantes, ganhar novas oportunidades de negócio e passar a ser referenciado como uma autoridade no assunto, isso nem sempre fica claro para a liderança da empresa.

É verdade, não faltam motivos para encarar o Marketing de Conteúdo como um dos pilares do sucesso no Marketing Digital, mas ainda assim você precisa justificar seu valor? Isso acontece porque muitos CEOs e empresários não entendem como o Marketing de Conteúdo funciona, vários inclusive desconhecem a terminologia.

Por essa razão, é essencial que os profissionais de Marketing Digital encontrem uma maneira nova e mais simples de explicar o seu valor e funcionamento. Como tomadores de decisão na empresa, é imprescindível que eles entendam e apoiem essa iniciativa.

Com base nisso, compartilhamos aqui algumas dicas para você driblar esse desafio:

Prepare o terreno

Contar com o apoio do seu líder fica mais fácil quando você consegue apresentar com clareza como o Marketing de Conteúdo é útil para atingir resultados reais. Antes de apresentar a sua estratégia, prepare-se:

  • Faça benchmarking: analise como outras empresas do seu mercado já estão utilizando a estratégia. As práticas podem ser seguidas e replicadas para fazer a sua empresa ter resultados melhores? Identifique como seus concorrentes propõem as informações e a política editorial que seguem.
  • Cerque-se de destacar os principais benefícios: mostre como o Marketing de Conteúdo é eficiente para gerar mais oportunidades de negócio, reduzir os custos de aquisição dos clientes e aumentar as vendas. Ao escrever sobre o seu segmento, você dissemina informações úteis que serão utilizadas para capacitar seus potenciais clientes e prepará-los para o momento da compra.
  • Neutralize objeções: no mundo dos negócios, é preciso estar preparado para lidar com as adversidades. Por isso, esteja preparado para objeções como custo e tempo para trazer bons resultados já que essa é uma estratégia de médio a longo prazo.
  • Use dados estratégicos para destacar as vantagens: como o Marketing de Conteúdo direciona o tráfego orgânico para o site, a empresa pode gastar menos em compra de mídia. Há pesquisas que indicam que o Marketing de Conteúdo chega a ultrapassar o ROI de links patrocinados em até 3 vezes.
  • Mostre uma prévia de quantos Leads pode gerar: essa é, inclusive, uma das grandes vantagens do Marketing de Conteúdo, a capacidade de geração de Leads. O resultado na maioria das vezes será proporcional, quanto mais autoridade você tiver sobre determinado assunto, maior será a quantidade de Leads gerados.
  • Planeje as ações: organize uma agenda de postagens e envolva a equipe na execução. Além de economizar, nada melhor que a própria equipe que conhece melhor as especificidades do produto e do mercado para falar muito bem sobre temas que são atraentes para seu público-alvo. Assim, você também consegue diluir os custos de contratação de um profissional exclusivo para redação de conteúdos. 

Defina quais argumentos pode usar para convencer sua liderança

Todas essas dicas são muito úteis, mas não saia despreparado jogando informações na mesa. Personalize seus argumentos e adote a linguagem que o seu líder usa para convencê-lo.

Coloque-se no lugar dele ao escolher argumentos que farão sentido. Case os objetivos que a empresa quer atingir com os conteúdos que serão abordados na produção de conteúdo. Mas o que falar? Por aqui, sempre ressaltamos para nossos clientes vários pontos importantes, mas o que é mais frequentemente usado é: o Marketing de Conteúdo é um ativo permanente!

Explique para direção da empresa que quando você produz e publica conteúdo, o benefício que ele traz, ou melhor, o ROI, é de longa duração.

Se precisar exemplificar, mostre como fica mais fácil ser reconhecido como uma autoridade em um assunto quando você produz conteúdos autorais e de qualidade. Além disso, apresente casos de grandes referências que chegaram lá por produzir conteúdo.

💡 Dica da RD: Temos uma série de exemplos de clientes com casos muito legais: confira os cases de sucesso com exemplos de empresas que criaram conteúdos ricos que deram resultado. Essa é uma mãozinha a mais para você demonstrar de maneira prática que o Marketing de Conteúdo gera resultado.

Deixe claro que o ROI do conteúdo é altamente mensurável

Para conhecer seu ROI, o primeiro passo é saber estimar os custos e as receitas derivadas da produção do Marketing de Conteúdo na sua empresa. E esses valores podem englobar diferentes estimativas, como, por exemplo:

  • salário da equipe;
  • plataformas utilizadas para compartilhamento;
  • mão de obra terceirizada para produção do conteúdo;
  • Leads gerados a partir de conteúdos que posteriormente fecharam uma venda.

Conhecendo exatamente esses números, fica mais fácil de quantificar o seu retorno. A partir disso, podemos separar esses resultados em dois tipos de métricas:

Métricas editoriais

São métricas que apresentam mais números em relação aos efeitos causados pelo conteúdo nos seus consumidores.

Isso inclui: compartilhamento, comentários, visitantes únicos, visualizações da página, o tempo de permanência na página, backlinks e assim por diante.

Métricas de negócio

As métricas de negócio estão mais relacionadas com conversões que são geradas como resultado da interação com conteúdos. Essas métricas podem incluir pedidos de demonstração de produto, teste gratuito, pedidos de orçamento, geração de Leads em páginas fundo de funil e vendas propriamente ditas.

Com uma boa estimativa em mãos, agora podemos partir para os cálculos. Uma possível fórmula para chegar no ROI de conteúdo seria algo como:

(A receita gerada - Custo de Marketing de Conteúdo) / Custo de Marketing de Conteúdo = ROI

Para conseguir calcular o Custo de Marketing de Contéudo,  você precisar alguns dados que listamos abaixo:

  • mão de obra (Gerente de Conteúdo, Analistas, freelancers);
  • custo de produção de materiais ricos, como eBooks, posts, infográficos e webinars;
  • ferramentas, softwares e hospedagem de site e blog.

Colocando tudo em uma tabela, ficaria assim:

Planejamento Content Marketing (Custos)

Pessoal
Gerente de ConteúdoR$ 2.000,00
Empresa Terc. ConteúdoR$ 1.000,00
DesignerR$ 1.000,00
Conteúdo
Blog postsR$ 100,00
EbooksR$ 800,00
WebinarsR$ 1.000,00
Ferramentas
Plataforma Blog (WP)Free
HospedagemR$ 100,00
Total CustosR$ 6.000,00

*Os valores listados são meramente explicativos.

A seguir, confira o que considerar na receita de Marketing de Conteúdo:

  • vendas fechadas com Leads gerados por fonte orgânica (excluir Leads gerados por mídia paga);
  • vendas fechadas com Leads gerados de forma direta que tenham como oferta algum outro tipo de conteúdo (eBooks, Webinars, emails, Landing Pages).

Planejamento Content Marketing (Receitas)

Geração de Leads (Quantidade)
Blog Posts (menos CPC)5.000
Webinars/Ebooks (menos CPC)15.000
Vendas - Considerando conversão de 1 a 6%
Blog Posts300
Webinars / Ebooks700
Valor Produto Serviço - R$ 12,00
Total ReceitaR$ 12.000

*Os valores listados são meramente explicativos.

No nosso exemplo, se você fizer R$ 12.000,00 em receitas de Marketing de Conteúdo e o custo total da empresa com a estratégia é de R$ 6.000,00, você vai encontrar um retorno de 1x o custo total ou 100%. Claro que estes valores irão variar conforme o tamanho da empresa, tamanho da equipe, ticket médio, estrutura e com o tipo de negócio.

Mas seja qual for a conta, a matemática é clara: o Marketing de Conteúdo tem que ser lucrativo, ou seja, gerar mais vendas, receitas e lucros. Para que a conta feche e você consiga avaliar os impactos, lembre-se que um passo inicial é entender qual o estado atual do seu funil de Vendas. 

Por falar em funil de Vendas, a seguir vamos entender melhor a relação entre ele e o Marketing de Conteúdo.

Funil de Vendas e conteúdo: qual a relação?

O funil de Vendas e o Marketing de Conteúdo estão ligados, pois o conteúdo serve como um meio para guiar os potenciais clientes ao longo das diferentes etapas do funil de Vendas. 

O funil de Vendas, também conhecido como funil de Marketing ou funil de conversão, é uma representação visual do processo pelo qual um potencial cliente passa desde o primeiro contato com a empresa até a compra final. 

Ele é geralmente dividido em três etapas principais: topo do funil (ToFu), meio do funil (MoFu) e fundo do funil (BoFu). Cada uma dessas etapas requer diferentes tipos de conteúdo para mover os Leads para a próxima fase.

funil de Marketing de Conteúdo

Confira a seguir alguns detalhes e conteúdos que podem ser utilizados por etapa do funil de Vendas.

Topo do Funil (ToFu) - Conscientização

O Marketing de Conteúdo desempenha um papel crucial em todas as etapas do funil de Vendas, ajudando a atrair, nutrir e converter Leads em clientes. No topo do funil (ToFu), ele atrai visitantes por meio de conteúdo informativo e relevante, otimizado para mecanismos de busca (SEO), compartilhado em mídias sociais e direcionado por meio de anúncios pagos. 

Tipos de conteúdo:

  • Blogposts: desenvolva artigos para blog que sejam informativos ou educativos, abordando problemas comuns enfrentados pelo público-alvo.
  • Infográficos: use visuais atraentes que simplificam informações complexas.
  • Vídeos: crie conteúdo envolvente que pode ser facilmente compartilhado nas redes sociais.
  • eBooks e guias gratuitos: ofereça esses materiais em troca de informações de contato, como emails.

Exemplo de conteúdo topo de funil:

Uma empresa de software de gestão de projetos pode criar um blogpost intitulado "10 desafios comuns na Gestão de Projetos e como Superá-los".

Meio do Funil (MoFu) - Consideração

No meio do funil (MoFu), o foco muda para a nutrição de Leads, oferecendo conteúdo mais aprofundado, como eBooks mais robustos, webinars e whitepapers, além de emails personalizados e automação de Lead nurturing.

Tipos de conteúdo:

  • Whitepapers: crie documentos detalhados que abordam problemas específicos e soluções avançadas.
  • Webinars: organize sessões de vídeo ao vivo ou gravadas que exploram tópicos em profundidade.
  • Estudos de caso: apresente demonstrações de sucesso com clientes existentes.
  • Comparativos de produtos: divulgue informações que comparam diferentes soluções ou produtos.

Exemplo de conteúdo meio de funil:

A mesma empresa de software pode oferecer um webinar intitulado "Como melhorar a eficiência do projeto com ferramentas de gestão avançadas".

Fundo do Funil (BoFu) - Decisão

Já no fundo do funil (BoFu), o Marketing de Conteúdo apresenta soluções concretas por meio de estudos de caso, demonstrações e depoimentos, enquanto cria ofertas especiais e utiliza técnicas de remarketing para incentivar a conversão dos Leads qualificados.

Tipos de conteúdo:

  • Demonstrações de produtos: crie apresentações detalhadas de como o produto funciona.
  • Depoimentos de clientes: utilize as avaliações e histórias de sucesso de clientes satisfeitos.
  • Ofertas e promoções: crie incentivos como descontos ou testes gratuitos para estimular a decisão de compra.
  • Guias de implementação: desenvolva manuais ou tutoriais que mostram como implementar e usar o produto ou serviço.

Exemplo de conteúdo fundo de funil:

A empresa de software pode oferecer uma demonstração gratuita do seu produto, acompanhada de depoimentos de clientes que tiveram sucesso usando a ferramenta.

Sendo assim, a relação entre o funil de Vendas e o Marketing de Conteúdo é fundamental para uma estratégia de Marketing bem-sucedida. Ao criar conteúdos direcionados para cada etapa do funil de Vendas, você pode atrair, nutrir e converter Leads de maneira eficaz, aumentando as chances de transformar visitantes em clientes satisfeitos.

Outro pilar do Marketing diretamente ligado ao funil de Vendas e ao Marketing de Conteúdo é o Inbound Marketing. No tópico a seguir, falaremos um pouco sobre ele. 

A metodologia Inbound

A metodologia Inbound é uma abordagem de Marketing com premissas semelhantes ao funil de Vendas e precisa ser acompanhada do Marketing de Conteúdo. Isso porque, ela se concentra em atrair, engajar e encantar os clientes. Ela se baseia em criar e compartilhar conteúdo valioso e relevante para o público-alvo, atraindo naturalmente as pessoas para a sua marca. 

Separamos a seguir uma explicação mais detalhada sobre essa metodologia. Você vai perceber que as etapas do Inbound Marketing são muito semelhantes às do funil de Vendas. Confira!

Atrair

No estágio de atrair, o foco está em criar conteúdo educativo e informativo que responda às perguntas e necessidades do seu público-alvo. Isso é feito por meio de Blogs, vídeos, infográficos, mídias sociais e outros tipos de conteúdo otimizados para os mecanismos de busca (SEO). Dessa forma, é mais fácil para as pessoas encontrarem você quando pesquisam por informações relacionadas ao seu nicho.

Engajar

Uma vez que você tenha atraído os visitantes para o seu site, o próximo passo é engajá-los. Isso envolve oferecer mais conteúdo relevante, personalizado e direcionado para as necessidades específicas de cada pessoa. 

Você pode fazer isso por meio de formulários de contato, chamadas para ação (CTAs), Landing Pages e emails segmentados, incentivando os visitantes a interagirem mais com a sua marca.

Encantar

O estágio de encantamento é quando você transforma seus clientes em promotores da sua marca, oferecendo uma experiência excepcional ao cliente. Isso inclui fornecer um excelente suporte, compartilhar conteúdo exclusivo e relevante, solicitar feedback e manter um relacionamento contínuo com os clientes para garantir sua satisfação e lealdade.

Dessa forma, podemos afirmar que tantos os pilares, como os benefícios do Inbound Marketing, são muito semelhantes aos do Marketing de Conteúdo. Afinal, as estratégias são complementares. 

📖 Veja mais:  O que é Inbound Marketing e como criar as melhores estratégias na prática

Como fazer Marketing de Conteúdo?

Marketing de Conteúdo sem uma estratégia bem arquitetada não é o suficiente para gerar o máximo de resultados. O método tem resultados comprovados, mas é preciso disponibilizar um tempo para planejamento e estratégia.

Existem várias formas de aplicar e executar uma boa estratégia de Marketing de Conteúdo. Algumas formas podem ser por meio de:

  • Blogs
  • Conteúdos Ricos
  • Vídeos
  • Redes Sociais
  • Email Marketing

Como você pode perceber, Marketing de Conteúdo não é só escrever um texto em um blog ou criar um post e aguardar que os resultados apareçam de forma mágica em sua mesa.

Você precisa:

  • pensar o que escrever;
  • quando publicar;
  • em qual canal promover;
  • qual formato usar;
  • quais personas atingir;
  • qual resultado pretende alcançar.

Tendo os objetivos mapeados e as metas definidas, aí sim, você pode começar a esperar bons resultados ao trabalhar com Marketing de Conteúdo.

Agora, vamos detalhar as diferentes formas de produzir conteúdo para que você encontre aquelas mais efetivas dentro da sua realidade:

Blog

Muitas pessoas podem pensar que, com a popularização das mídias sociais, o Blog é um elemento ultrapassado. Porém, não só no caso do portal Resultados Digitais, mas também com o exemplo de centenas de clientes que temos, o Blog tem provado ser um canal eficiente na geração de resultados para uma estratégia de Inbound Marketing.

Isso acontece pois, só com um Blog, em um domínio próprio, é que você consegue ter total controle em todas as ações de Marketing de Conteúdo.

Um Blog é a forma mais comum de atração de audiência na internet. Com bons conteúdos e uma boa otimização, seguindo as boas práticas de SEO, o blog é a melhor maneira de você conseguir tráfego.

Muitas vezes, o Blog é a porta de entrada de futuros clientes. Portanto, é importante que o blog da sua empresa seja relevante e conquiste a atenção do usuário. Só assim esse usuário se tornará um Lead e, futuramente, um cliente.

Se você já possui um blog ou está pensando em criar um para seu negócio, é importante tomar cuidado com alguns pontos na hora de colocar em prática esse tipo de plano. Veja a seguir!

Tenha cadência nas postagens

Para descobrir qual a periodicidade ideal para a sua empresa, considere o tamanho dela, sua concorrência e a equipe disponível para produzir conteúdo — é importante que a frequência de publicação de posts não afete a qualidade do material.

Outro fator importante é manter um padrão e um calendário de posts. Ser regular ajuda a ter visitantes retornando ao seu site. Se você somar esses retornos a novas visitas diárias, verá que vale a pena manter essa regularidade.

E uma das formas de manter uma audiência fiel é justamente fazer com que ela entenda a periodicidade de posts do blog. Seus visitantes acharão estranho se você postar duas vezes em uma semana, dez vezes na semana seguinte, uma vez na terceira semana e novamente dez vezes na próxima semana, concorda?

É verdade que estudos mostram que, quanto mais publicações novas, mais chances seu blog tem de se destacar perante à concorrência. No entanto, isso só ocorre se o aumento de quantidade não for afetar a qualidade. Aqui, o índice qualitativo vem sempre antes do quantitativo.

Portanto, o mais importante é ser regular. Seja com posts diários, semanais ou quinzenais, o recomendado é manter essa frequência para que sua audiência saiba como funciona o blog da sua empresa e perceba que tudo está sendo feito de forma organizada.

Planejamento de pautas

Para a máxima eficácia da sua estratégia de Marketing de Conteúdo, os temas que serão abordados no Blog não podem ser aleatórios. Um dos segredos para um Blog de sucesso é justamente não fugir do tema central.

Faça uma previsão de quantos posts por mês ou semana você pode produzir para seu Blog sem o tornar repetitivo. Se o seu Blog for de um nicho extremamente específico, por exemplo, talvez seja mais difícil encontrar assuntos diários.

A principal dica é criar um planejamento de pautas com antecedência, baseado nos problemas que sua persona enfrenta e nos diferentes estágios da Jornada de Compra. Dessa forma, você consegue prever quais serão os próximos assuntos, organizar melhor o conteúdo de seu Blog e, ao mesmo tempo, manter o foco editorial e a diversidade de temas.

Leve também em consideração a procura no Google pelo tema sobre o qual deseja escrever. É importante dar prioridade àqueles que possuem busca, para o seu blog ser encontrado mais facilmente.

Lembre-se de otimizar o texto para a Google

Depois de fazer um planejamento de temas e definir a frequência de postagens, é importante seguir as boas práticas de SEO para que suas publicações fiquem bem posicionadas nos resultados do Google. Afinal de contas, seu site precisa ser encontrado em meio aos anúncios, resultados de IA e outras páginas!

Para isso, defina uma palavra-chave para focar no post e siga algumas técnicas de otimização SEO On-Page. Há muitas formas de otimizar um post, mas, resumindo bem a técnica, lembre-se de colocar a palavra-chave nos seguintes atributos:

  • título do post;
  • url do post;
  • descrição do post;
  • alt-text das imagens;
  • no mínimo em 1 cabeçalho <h2> do texto.

Além disso, é recomendado o uso da palavra-chave no início do texto e ao longo do post. Mas tome cuidado para não escrever o artigo apenas pensando na otimização para motores de busca. Pense também na experiência do usuário antes de publicar. O artigo irá ajudá-lo? É relevante para o problema que ele possui? O título condiz com o conteúdo?

É importante juntar SEO com a experiência do usuário, pois o algoritmo do Google consegue identificar alguns critérios qualitativos do texto. Portanto, nada de encher o texto com palavras-chave desconectadas! Ao contrário disso, invista na qualidade do conteúdo, traga diferentes mídias para enriquecer o seu texto e convide especialistas no tema para trazer uma opinião ou mesmo escrever o artigo.

Diversifique o tipo de comunicação no Blog

Outro fator bastante importante para um conteúdo bem escrito é a estrutura. É fundamental ter em mente que a leitura na internet é diferente da leitura de um livro, revista ou jornal. Há muitas distrações na internet, e é comum que o usuário perca a atenção caso o texto não seja atrativo ou escaneável.

Por exemplo: blocos de texto muito grandes, sem nenhum descanso para os olhos, costumam causar desconforto para o usuário.

Portanto, sempre que puder, enriqueça seus conteúdos do blog com:

  • Subtítulos
  • Listas
  • Bullet points
  • Negritos
  • Itálicos
  • Imagens
  • Infográficos
  • Vídeos

Além de ser uma ótima forma de melhorar a experiência do usuário, é um hábito valorizado pelo Google.

Materiais ricos

A produção de posts no Blog é muito importante para atrair visitantes para seu site e tornar sua empresa uma referência no mercado. Mas, para uma estratégia de Marketing de Conteúdo completa, é necessário ter uma conversão intermediária para fisgar quem ainda não está no momento certo da compra.

É essa a função de um material rico: um conteúdo educativo que agrega valor para seus visitantes. Oferecendo esse tipo de conteúdo, sua empresa pode continuar educando seus potenciais clientes e preparando cada um deles ao longo do tempo para que, no momento certo, possa fazer a abordagem de venda.

Mas não basta criar esses materiais para que eles ajudem a educar prospects e tornem a sua empresa referência no mercado. É preciso divulgá-los de maneira correta e eficiente para conseguir Leads e, a partir daí, iniciar um relacionamento com eles.

E a forma mais eficaz de ofertá-los é por meio das Landing Pages, que são páginas voltadas para a conversão. Ao usá-las, você pode oferecer o conteúdo e, em troca, pedir algumas informações de contato dos potenciais clientes, como nome, email, telefone e outros dados que achar necessário.

E a produção desse material não precisa ser algo necessariamente trabalhoso. Você pode começar oferecendo conteúdos que já possui e utiliza na sua empresa, como:

  • Planilhas
  • Templates
  • Pesquisas
  • Análises de mercado
  • Artigos técnicos
  • Checklists
  • Glossários

Posteriormente, você pode produzir materiais pensados especificamente para responder dúvidas e curiosidades ou sanar dores dos seus potenciais clientes.

Além desses que já listamos, alguns dos principais formatos de conteúdos ricos são eBooks, webinars, ferramentas, kits, infográficos e templates, dos quais falaremos mais detalhadamente abaixo.

eBooks

A produção de eBooks é uma ótima alternativa para conteúdos mais longos que poderiam ficar extensos demais para um post de blog. Eles transmitem uma imagem de autoridade no assunto, passando confiabilidade para seu público-alvo.

Isso porque escrever um eBook e organizá-lo exige muita pesquisa e conhecimento do tema. Além disso, ele organiza um determinado tema em uma sequência lógica de aprendizado, o que pode ser útil para quem está estudando um assunto em particular.

Esse tipo de formato também tem o benefício de ter uma alta viralidade, já que basta divulgá-lo nas redes sociais com imagens e um título atrativo que seus leitores provavelmente compartilharão — se o material realmente gerar valor para eles.

Outra vantagem é que ele é um formato relativamente barato de desenvolver, já que, ao contrário de outros conteúdos, exige pouca infraestrutura: basta fazer a pesquisa, escrever e diagramar.

💡 Dica da RD: mesmo que você não tenha noção de design, pode usar um dos 12 templates gratuitos de eBooks que disponibilizamos para diagramar seu conteúdo.

Todas essas características peculiares dos eBooks fazem com que eles sejam uma das grandes táticas do Marketing de Conteúdo.

Webinars

Assim como os eBooks, webinars são um formato bastante difundido para a produção de conteúdo. Inclusive, é um formato muito explorado aqui na RD Station. Eles acabam tendo um toque mais pessoal, que aproxima mais o potencial cliente da empresa, e são uma ótima oportunidade de estabelecer contato com referências do seu mercado.

Também não possuem um custo muito alto: você pode gravar um webinar apenas com uma câmera amadora ou celular, um microfone e um computador para editar o vídeo — é claro que, quanto melhor for a produção, melhor a imagem que você vai passar da sua empresa.

Você pode oferecer seu webinar tanto ao vivo quanto gravado. Versões ao vivo têm como benefício uma maior proximidade com os interessados, já que você pode responder perguntas na hora. Mas nada impede que depois você disponibilize esse webinar em uma versão gravada, para que ele continue gerando Leads ao longo do tempo.

Além disso, você ainda pode utilizar o que foi dito no webinar para criar outros formatos de conteúdo, como novos posts, eBooks e infográficos.

Ferramentas

Ferramentas ajudam seus prospects com problemas práticos, que muitas vezes não poderiam ser resolvidos só com a leitura de um eBook ou assistindo a um webinar. Elas têm um bom potencial de geração de Leads, pois, se conseguem facilitar o trabalho do seu público-alvo, provavelmente vão gerar bastante engajamento.

As ferramentas podem tanto ser parte do seu produto/serviço quanto algo totalmente novo. Caso sejam parte do seu produto/serviço, elas podem fazer o Lead avançar no processo de compra, pois dão um gostinho de como a solução completa funciona.

Um exemplo é a nossa ferramenta de Análise de Site, uma parceria entre RD e Supersonic. A ferramenta dá uma ideia do que é preciso melhorar para ter um desempenho cada vez melhor com seu site.

Geralmente, criar ferramentas exige uma infraestrutura um pouco maior, pois você vai precisar contar com a ajuda de um profissional que saiba de programação. Em compensação, dificilmente sua ferramenta será copiada, já que é mais complicado reproduzir esse tipo de conteúdo do que um post, por exemplo.

Isso torna as ferramentas uma bela forma de diferenciação no mercado e certamente seu público vai perceber como a marca ajudou a resolver um problema relevante.

Kits

Kits são um formato de conteúdo rico que reúne dois ou mais materiais sobre um mesmo tema, ou destinados a uma audiência específica.

Um grande benefício dos kits é que, se você já trabalha com a produção de conteúdos ricos, eles podem ser simplesmente a junção de materiais que você já tem, otimizando os esforços da equipe de conteúdo.

Por isso mesmo, costumam ter um baixo custo de produção, pois você só precisa adaptá-los para um novo lançamento, criando novas Landing Pages, Thank-you Pages, emails e imagens. Um exemplo é o nosso Kit da Caixa de Ferramentas de Marketing Digital.

Mas mesmo que você decida criar um material totalmente novo, o kit pode ser muito atrativo para os interessados e ter um bom custo-benefício. Isto porque chama a atenção pela quantidade de conteúdo sendo ofertado gratuitamente.

Além disso, também auxiliam quem está aprendendo sobre determinado assunto, já que costumam reunir o que você oferece de mais interessante sobre o tema.

Infográficos

Infográficos são a união de informações nos formatos visual e escrito, com gráficos e dados destacados para facilitar o entendimento de uma mensagem.

O infográfico como estratégia de Marketing de Conteúdo pode ser tão eficiente como material rico porque facilita a leitura por meio de informações visuais, principalmente quando há muitos dados numéricos ou é necessário explicar algum processo com um passo a passo.

Além disso, podem atrair mais Leads porque costumam exigir menos tempo do que ler um eBook ou assistir a um Webinar, por exemplo. É o caso do nosso infográfico que mostra O que é Automação de Marketing.

Apesar de parecer complicado, desenvolver um infográfico pode ser simples até para quem não tem muita familiaridade com softwares de edição e criação de imagens, pois há diversas ferramentas, muitas delas online e gratuitas, que podem ajudar você nessa tarefa, como o Canva.com.

Templates

Templates são, basicamente, modelos de planilhas, apresentações, listas e outros materiais prontos para o uso, que, assim como as ferramentas, facilitam na execução de alguma tarefa dos seus prospects. 

Como têm uma aplicação bem prática, os templates são ótimos para atrair Leads qualificados. Por isso, lembre-se de criar templates autoexplicativos ou que possuam um material de apoio para serem bem utilizados.

Além disso, eles são mais fáceis de criar do que se imagina. Afinal, muitas empresas já utilizam templates em seus processos internos, e podem ofertá-los sem ter que mudar praticamente nada.

Você pode conferir um exemplo baixando nosso Template de Relatório Mensal de Marketing Digital para medir seus resultados!

Vídeos

O vídeo é outro formato que, quando aplicado em uma estratégia de Marketing de Conteúdo, pode ser extremamente valioso para sua empresa.

É um formato que está se popularizando cada vez mais, muito em virtude da facilidade que é criar um vídeo atualmente. Algumas empresas sequer possuem câmeras profissionais, mas utilizam webcams ou celulares para gravações.

Os vídeos estão tão em alta que hoje a maioria do tempo consumindo conteúdo acontece por meio deles. Não é à toa que ter um vídeo em uma página de produto pode aumentar em até 85% a intenção de compra, por reforçar a confiabilidade do produto para o cliente.

Aqui vamos destacar mais algumas dicas para você usar vídeos em sua estratégia:

Uso de vídeos no Blog

O Blog é o principal meio no qual o conteúdo produzido pela sua empresa será divulgado e, quando pensamos nele, o primeiro formato de conteúdo que nos vem à mente costuma ser o texto.

De fato, esse formato é o mais comum, mas não devemos nos esquecer das possibilidades que os vídeos apresentam.

Existem diversas formas de usar vídeos como conteúdo para Blogs. Uma delas é criando uma série de pequenos vídeos que cubram um certo tópico, porém que não sejam extensos o suficiente para se tornarem um webinar.

Uso de vídeos nas redes sociais

Outra boa prática é utilizar vídeos em redes sociais. Há as redes sociais próprias para vídeos, como TikTok e Youtube, que focam nesse formato, e as redes como Instagram, Facebook e X (antigo Twitter), que também oferecem o vídeo como um formato de publicação.

Há várias formas de sua empresa criar conteúdo em vídeo nas redes sociais:

  • teasers que direcionam o usuário para uma página;
  • minivídeos explicativos sobre um tema;
  • demonstrações de um produto;
  • transmissões ao vivo;
  • estudos de caso.

Vídeos funcionam muito bem nas mídias sociais. Dentro do Instagram, por exemplo, é o formato de publicação que gera o maior alcance, como falamos no post sobre o Instagram Reels.

Canal de vídeos e media center

Pensando no contexto maior do Marketing Digital, é possível ir além e desenhar uma estratégia focada em conversão. Para isso, ter um repositório de vídeos da sua empresa é uma excelente forma de se posicionar e gerar resultados.

Quando pensamos em fazer um canal de vídeos como estratégia de Marketing de Conteúdo, é bem comum já vir à nossa cabeça um canal em plataformas gratuitas de massa, como o Youtube e o Vimeo. E aproveitar a audiência que esses canais possuem de fato é algo atrativo, principalmente quando estamos visando atrair visitantes para nosso site.

Acontece que essa nem sempre é a melhor opção: é possível dar um passo adiante e tornar esse canal de vídeos, ou media center, em um canal da sua empresa, como o próprio site. Isso é algo bem mais interessante para se posicionar como referência e evitar alguns problemas clássicos trazidos pelas plataformas gratuitas, tais como perda de atenção e publicidade de terceiros.

Existem ferramentas nacionais e internacionais que ajudam você a aprimorar as possibilidades de conversão por meio de vídeos. Os preços variam e a entrega de valor também. O importante é escolher aquela que mais possa gerar negócios para sua empresa, que cumpra a necessidade e, obviamente, que valha o custo-benefício.

Redes Sociais

As Redes Sociais são ótimos canais para sua empresa fazer Marketing de Conteúdo. São canais multifunções no Marketing Digital, isso porque podem funcionar tanto para atração como para relacionamento e, em alguns casos, até mesmo para venda.

Segundo os Panoramas de Marketing e Vendas 2024, 81% dos times usam as Redes Sociais em suas estratégias. E há muitos motivos para que sua empresa esteja presente nessas plataformas. Por exemplo:

  • Para muitas pessoas, é o principal canal usado para consumir conteúdo, informação e entretenimento.
  • É um canal barato e que pode render resultados até para quem não impulsiona suas publicações.
  • Tem alto poder de disseminação de conteúdo e de viralização.
  • É um canal para relacionamento com clientes e fãs, tanto por mensagens inbox como nas próprias publicações públicas.
  • É uma poderosa fonte de tráfego e de geração de Leads para o site de sua empresa.

Com certeza, ainda existem mais vantagens. Portanto, manter presença nas redes sociais é fundamental para empresas que querem investir no Marketing de Conteúdo.

Por isso, uma alternativa interessante é usar as redes sociais não só para promover o que sua empresa produz para o blog ou para o site, mas também usá-las para produzir conteúdo diretamente na plataforma, em formatos diferentes do que é publicado no Blog.

As maiores Redes Sociais hoje são multimídias, o que permite que sua empresa possa produzir textos, infográficos, montagens, vídeos, transmissões ao vivo, concursos, fotografias, gifs e o que mais sua criatividade permitir.

Note que falamos em Redes Sociais, no plural. Ou seja, fazer Marketing de Conteúdo nas redes sociais não é somente criar uma página no Instagram e ficar postando sem parar. A seguir, veja mais sobre como usar cada uma das redes sociais na sua estratégia, em um trecho do Curso de Marketing Digital Gratuito, da RD University!

Considere todas as redes sociais

É verdade que o Instagram é uma das redes sociais mais usadas no momento. Em um primeiro momento, pode parecer que, de acordo com essa percepção, estar somente no Instagram é o suficiente para sua empresa ter sucesso nas redes sociais.

No entanto, é justamente o contrário. Ter uma página da sua marca no Instagram não é um diferencial, é o básico. E para se destacar em meio a tantas outras empresas e produtores de conteúdo, é preciso trabalhar de forma bastante estratégica e criativa.

Uma forma interessante é justamente estar aberto a outras oportunidades e produzir conteúdo também em outras redes sociais.

TikTok, Twitter, LinkedIn, YouTube, Pinterest: todas essas mídias podem dar resultado para sua empresa. Tudo o que você precisa é muita dedicação, conteúdo de qualidade e publicação frequente.

Para começar o processo de escolha das redes sociais nas quais sua empresa deve estar presente, é importante identificar onde seu público-alvo ideal está lá e de que forma sua empresa pode compartilhar conteúdo relevante com ele.

Por isso, conversar com alguns clientes atuais e potenciais pode ser uma boa forma de descobrir o que eles estão usando no dia a dia. Além disso, mesmo que sua empresa não vá atuar ativamente em todas elas, é importante criar os perfis nas redes para reservar o nome, evitando que apareçam páginas ou perfis com o nome de seu negócio.

📖 Veja também: Marketing nas redes sociais: um guia completo para obter os melhores resultados em cada uma delas

Não seja um vendedor inconveniente

Na maioria das vezes, as redes sociais não são um ambiente onde as pessoas estão querendo ser abordadas por postagens corporativas e vendedoras.

E como estamos falando de Marketing de Conteúdo, o ideal é que sua empresa use as redes sociais para primeiro criar um relacionamento com seu público e depois ir trabalhando suas ofertas de forma arquitetada e sutil.

Lembre-se que o fã que está seguindo sua empresa nas Redes Sociais pode até ser um cliente ou consumidor do seu produto, ou serviço, mas nem sempre ele estará consumindo sua solução. Ou seja, para mantê-lo engajado com sua empresa, crie conteúdo para ele e faça ofertas na hora certa!

Mensure os resultados com o funil das redes sociais

Sempre que possível, analise o desempenho do seu trabalho nas redes sociais. Isso ajuda a identificar oportunidades e melhorar o que não tem dado certo.

Mas como medir resultados? Quais são as métricas realmente importantes das redes sociais?

É bastante normal encontrar empresas focando o sucesso de uma estratégia de Marketing de Conteúdo no número de curtidas, compartilhamentos e comentários das publicações. Mas, esquecendo que o engajamento de nada adianta se não houver a geração de oportunidades de negócio.

É importante deixar claro que de forma alguma estamos dizendo que essas métricas não devem ser acompanhadas. Sim, elas devem ser monitoradas, pois, indiretamente, ajudam no alcance que a sua publicação terá.

Publicações com mais curtidas, comentários e compartilhamentos são entendidos pelas redes sociais como conteúdos de qualidade e, por isso, ganham destaque nos algoritmos que determinam para quem irão aparecer.

Quais métricas acompanhar?

O enfoque deve ser em métricas que podemos chamar de diretas, ou seja, que mostram o interesse da audiência em continuar interagindo com a sua empresa. Para isso, existe um funil próprio:Funil das métricas de redes sociais, dividido em três etapas: Impressões, Cliques e Conversões.

Visualizações:  a primeira etapa do funil das mídias sociais representa o número de vezes que a sua publicação foi visualizada. Sempre procure otimizar suas publicações para que elas sejam vistas cada vez mais vezes pela sua audiência. Algumas variáveis controláveis podem aumentar as impressões da sua página e, consequentemente, aumentar o topo do seu funil, como horário e formato da publicação.

Cliques: essa é uma métrica muito importante para medir o desempenho das suas postagens, afinal, o objetivo que compete somente à gestão de mídias sociais de uma empresa é gerar tráfego para outros canais específicos de geração de oportunidades de negócio. Você deve otimizar ao máximo suas postagens para que sua audiência clique cada vez mais nelas e, posteriormente, seja convertida em Leads.

Conversões: o número de conversões de visitantes em oportunidades de negócio deve ser a sua principal métrica a ser acompanhada neste processo. Apesar de a conversão não depender única e exclusivamente do trabalho feito em mídias sociais, ela é uma métrica que mostra a efetividade do canal, ou seja, a quantidade dos seus Leads gerados pelas mídias sociais.

Aproveite oportunidades de interação com seu público

As redes sociais são locais em que você pode e deve estabelecer uma comunicação mais pessoal com seu público-alvo. Aproveite essa oportunidade ao máximo, pois isso pode ser um diferencial de sua estratégia.

Por isso, responda os comentários que seus fãs fazem para que eles se sintam privilegiados. É uma forma rápida e fácil de fidelizar os fãs que você já tem e, até mesmo, transformá-los em advogados da sua marca.

Além disso, geralmente a interação com o público gera bons insights para novas ações de Marketing de Conteúdo. Aproveite o que seus fãs têm a dizer e faça com que eles sintam que estão participando de suas publicações.

📖 Veja também: Baixe o Calendário de Conteúdo para Redes Sociais 2024 grátis!

Email Marketing

O Email Marketing tem sido o carro-chefe de muitas empresas que sabem utilizá-lo. Hoje, o canal vai muito além do envio de mensagens ou notificações: é uma boa forma de espalhar conteúdo, atrair novos visitantes e aprofundar relacionamentos com a base de contatos.

Por ser um canal ágil e de baixo custo, é útil para vários tipos de negócios e tamanhos de empresas que desejam aplicar Marketing de Conteúdo e outras estratégias de Marketing.

Separando seus contatos por áreas de interesse, é possível entregar mensagens com as ofertas certas para o potencial cliente, aumentando consideravelmente a taxa de conversão. Isso traz resultados importantes no nível de engajamento, além de ser fundamental para guiar seus prospects em direção à venda.

Além do envio de newsletters e da divulgação de novos materiais por meio de emails promocionais, sua empresa pode investir em uma estratégia de nutrição de Leads.

Use cada email para educar e motivar os seus clientes potenciais ou informar sobre suas ofertas — de conteúdos, serviços ou produtos.

Apesar desses benefícios, quando o Email Marketing é feito de maneira errada, pode deixar uma impressão equivocada sobre sua qualidade. Por isso, alguns cuidados importantes devem ser tomados e é sobre eles que vamos falar agora.

Não compre listas de emails

A compra de listas de emails pode parecer vantajosa, mas existem muitos motivos para não investir nessa prática. O maior de todos é porque isso vai contra as normas da LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, que regulamenta o uso de dados das pessoas por empresas.

  • O segundo motivo é porque as pessoas da lista não conhecem sua empresa e não demonstraram interesse nela, então não fazem ideia de como você conseguiu o email. Isso causa uma impressão muito ruim no momento do recebimento da mensagem.
  • Em terceiro lugar, temos visto a explosão das mídias sociais, que deram voz e poder ao consumidor. Hoje a empresa fica mal vista não só por quem recebeu o spam, como também por todos os amigos dessa pessoa, caso ela use seu perfil para reclamar.

Além disso, os serviços de email estão ficando mais inteligentes. Há uma boa chance de muitos usuários marcarem sua mensagem como spam e, ao fazerem isso, a reputação da empresa fica prejudicada. Dessa forma, os próximos envios têm grandes chances de cair direto na caixa de spam, e mesmo as pessoas que gostariam de receber algo da sua empresa não verão o seu email.

Geralmente, essas listas têm muitos emails que não existem ou que foram desativados. E a qualidade também é ruim em termos de público-alvo, pois para inchar a lista e tentar fazê-la valer mais, são incluídos todos os tipos de email. Assim, entram perfis que não possuem qualquer relação com o serviço ou produto oferecido pela sua empresa.

Gaste esforços na segmentação

Enviar o email certo para a pessoa certa traz o máximo de aproveitamento da sua base de contatos. Para isso, o primeiro passo é ter informações, que podem vir de muitos lugares — para quem trabalha com Marketing Digital, o mais comum é que venham das Landing Pages.

Desse modo, é muito importante que, ao criar uma Landing Page, sejam definidas quais perguntas devem ser feitas. Ou seja, quais são as informações mais relevantes e que ajudarão sua empresa a fazer uma segmentação melhor.

Com as informações em mãos, o próximo passo é pensar no processo em sua totalidade — não somente para criar campanhas, mas para o próprio lançamento dos materiais.

É comum que empresas definam a oferta antes do público. Não há nada de errado nisso, porém, quando há informações sobre a base de Leads, fica mais fácil fazer uma oferta especificamente para um público bem segmentado.

Para ajudar no processo, pode-se integrar os serviços que sua empresa utiliza ou usar uma plataforma de Marketing Digital mais completa, que possui a maioria das ferramentas necessárias já integradas entre si. Esse é o caso do RD Station Marketing, que permite criar Landing Pages, disparar emails, construir fluxos de automação e muito mais.

Não envie um “email imagem”

Outra prática que pode estragar os resultados da sua campanha de Email Marketing é colocar todo o conteúdo da mensagem em uma única imagem. Isso porque a maioria dos principais serviços de email — como Gmail e Outlook — possui um bloqueio padrão de segurança para exibição de imagem.

Com a internet cada vez mais abundante de informações, é raro que os usuários tenham disponibilidade de tempo e interesse a ponto de autorizar a exibição para só então descobrir do que o email trata.

É preciso que o email mostre a que veio logo de cara. Por isso, se você usar apenas uma imagem, muitos destinatários irão ignorar o email, ou ainda deletá-lo, ou marcá-lo como spam.

A melhor forma de se certificar de que a mensagem do email será transmitida ao destinatário, mesmo que este não autorize a exibição das imagens, é utilizar um template de email em HTML. Outro ponto importante, é organizar uma boa distribuição entre textos e imagens com alt tags, sempre colocando um texto que descreva a imagem.

💡 Dica da RD: utilize ferramentas que facilitam a criação de emails em html, otimizando seus disparos. No RD Station Marketing, por exemplo, você conta com dezenas de modelos prontos e pode trocar texto, cores, logo e outros elementos facilmente editáveis. Aproveite para fazer seu teste gratuito e entenda como fazer na prática.

Ferramenta para Marketing de Conteúdo

Preocupe-se com a frequência

Determinar a frequência ideal de emails é muito importante na hora de usar o Email Marketing para compartilhar os conteúdos que você produziu. Isto porque, o email será um dos principais responsáveis pelos resultados das suas campanhas de Marketing de Conteúdo a longo prazo.

Um alto volume de emails pode ter um alcance maior e até gerar mais vendas na hora, mas costuma também incomodar os leitores e causar uma gradual queda dos assinantes da lista.

Por outro lado, mandar poucos emails pode esfriar a relação e subaproveitar o potencial do canal, além de causar estranheza ao leitor quando o email chega.

A seguir, confira algumas dicas para encontrar a frequência ideal de disparos:

  • Pense no objetivo do email: se você quer informar os eventos da semana, por exemplo, a frequência é semanal. Para casos em que a ideia é manter um relacionamento ou promover algo atemporal, no entanto, é preciso ter mais informações e deve-se partir para o próximo passo.
  • Converse com os assinantes: esse trabalho investigativo é essencial na definição da frequência, até porque, como as consequências disso vêm em longo prazo, é muito mais difícil fazer testes para descobrir a melhor frequência do que para o melhor horário.
  • Fique atento à quantidade de cancelamentos: se você perceber que a taxa de pessoas cancelando a assinatura da sua lista é alta, é hora de parar e rever sua política de envio.
  • Pense no custo-benefício: não defina uma frequência ideal, mesmo que tenha sido a escolhida pelos seus clientes, se não for tempo suficiente para você selecionar ou produzir conteúdo relevante. Se o conteúdo enviado é irrelevante, vai ser muito fácil as pessoas se cansarem e se descadastrarem da sua lista.

Mensure os resultados das ações de Email Marketing

Após enviar os emails, é importante mensurar os resultados para ver o que é preciso testar e melhorar. Para isso, algumas métricas, como as taxas de crescimento da lista, de abertura, de cliques e de descadastros devem ser observadas. Confira alguns detalhes sobre cada uma:

Taxa de crescimento: percentual de novos emails em relação ao total da lista. Essa métrica permite observar como anda a construção de uma base relevante como ativo de Marketing Digital. Uma taxa ruim pode significar que sua empresa precisa investir mais em iscas para a obtenção de emails.

Taxa de abertura: número de pessoas que abriram a mensagem dividido pelo número de pessoas que a receberam. Apesar de não ser muito precisa (há algumas distorções técnicas), a taxa de abertura é uma métrica muito importante para indicar a qualidade do assunto escolhido para o email e o melhor horário de envio.

Taxa de cliques: é um dos itens mais importantes, mas não deve ser analisado de forma exclusiva. Um email com baixa taxa de abertura tende a ter menos cliques. Mas, quando mensuramos também a taxa de cliques, conseguimos identificar o problema de forma mais clara.

Taxa de descadastros: indica quantas pessoas optaram por sair da sua lista e reflete problemas na qualidade do conteúdo e/ou na frequência de envio. Um alto índice de descadastros é um alerta grande para sua empresa e indica necessidade de reformulação na política de Email Marketing.

Vale a pena analisar também qual é o impacto das ações no seu site — quantas visitas o email gerou e, principalmente, quantas conversões são realizadas por essa fonte de tráfego.

Dessa forma, é possível entender um pouco mais do valor de negócios proporcionado por esse tipo de ação.

Boas práticas e tendências de Marketing de Conteúdo que você precisa seguir

Chegando até aqui, você ainda pode ter algumas dessas dúvidas, como:

  • O que preciso fazer este ano para os resultados serem melhores do que no ano passado?
  • Como posso agregar ainda mais valor para o meu público com diferentes formatos de conteúdo?
  • Como transformar a maneira da audiência interagir com a minha marca?

Saiba que não são só os profissionais de Marketing de Conteúdo que estão abordando essas questões. Todas as marcas que adotam estratégias online querem encontrar respostas para todas elas, e podemos dizer que é preciso olhar para algumas mudanças e tendências para achar as melhores soluções.

É por isso que também gostaríamos de compartilhar dicas para ajudar sua marca a ficar à frente da concorrência quando o assunto é criar conteúdo de qualidade. Veja a seguir!

1. Crie conteúdos autênticos que mostram a realizada por trás da sua marca

Autenticidade e verdade são dois temas comuns que os consumidores esperam da sua marca. Hoje os clientes buscam a sinceridade das marcas, enquanto o outro lado busca relacionamentos mais profundos e completos com sua audiência, certo? Nesse caso, é preciso se concentrar em experiências personalizadas para cada usuário.

Se os profissionais de Marketing planejam produzir experiências online interativas, que impressionam qualquer um, sua estratégia de conteúdo precisa estar voltada para esses valores dos clientes.

2. Diversidade e inclusão precisa fazer parte da estratégia de conteúdo

Os clientes querem consumir conteúdo diversificado e inclusivo. Já não dá mais para manter uma estratégia de publicações que não leva em conta a diversidade da sociedade, seja de gênero, cor, credo ou mesmo gerações.

Garantir que um cliente possa se ver como um membro presente na comunicação da sua marca pode ajudar a aumentar as conversões em vendas. Diversas pesquisas mostram que as pessoas estão muito mais propensas a comprar mais de uma vez de marcas que estão comprometidas com a diversidade e inclusão.

3. Desenvolva conteúdos preparados para a pesquisa por voz

À medida que a pesquisa por voz se torna mais popular, seu conteúdo deve ser otimizado para a forma como as pessoas falam. Isso significa escrever conteúdos com linguagem natural e adicionar nas configurações os títulos e descrições que já tragam termos coloquiais.

Essa otimização para pesquisa por voz pode ajudar a melhorar seu resultado na frente de SEO e aumentar o envolvimento do seu público. Isso ainda permitirá que os dispositivos com Inteligência Artificial encontrem e retransmitam com precisão respostas para buscas por voz baseadas também em localização.

4. Olhe para o entretenimento como a chave para uma estratégia efetiva em conteúdo

Os profissionais de Marketing que incorporam as tendências de entretenimento e da cultura pop em sua estratégia de Marketing de Conteúdo estão se desafiando o tempo todo. Afinal, será que conectar esse tipo de conteúdo com marcas faz sentido?

Para responder essa pergunta, é preciso entender melhor seu público. Caso ele esteja aberto e curtir esse tipo de comunicação, você irá aumentar suas chances de ganhar tráfego e humanizar sua marca. É o que fazemos aqui nas páginas de conteúdo da RD Station, como o perfil @resdigitais no Instagram.

Por entender que nosso público segue esse tipo de conteúdo e dá preferência para ele, incorporamos dentro da nossa estratégia uma editoria de redes sociais focada em trazer referências conhecidas do público para conectar com os assuntos de Marketing Digital.

Só que não adianta querer fazer algo que sua audiência não vai consumir. Nesse caso, olhe para que tipo de entretenimento seu público busca para incorporar da mesma forma na sua estratégia.

5. Utilize Inteligência Artificial de forma estratégica

A Inteligência Artificial (IA) tem transformado o Marketing de Conteúdo de maneiras inovadoras e eficazes. Utilizar a IA de forma estratégica pode potencializar os resultados das suas campanhas e otimizar processos, facilitar o dia a dia e diminuir tarefas operacionais. 

Quando bem utilizada, a IA no Marketing de Conteúdo permite trazer mais rapidez, personalização e qualidade aos conteúdos. Mas, lembre-se: utilizar Inteligência Artificial não é sobre usar o ChatGPT para criar blogposts, copiando e colando. Vai muito, além disso!

Confira algumas atividades relacionadas ao Marketing de Conteúdo nas quais você pode contar com a ajuda da Inteligência Artificial:

  • Otimização para SEO
  • Personalização e segmentação
  • Criação e curadoria de conteúdo
  • Automação de tarefas repetitivas
  • Geração de conteúdos interativos
  • Análise e monitoramento de dados
  • Assistência na criação de conteúdo visual

6. Use conteúdo interativo para captar a atenção do público

Em meio a quantidade de conteúdos produzidos hoje, é muito provável que o público preste atenção nos formatos que sejam interativos e proporcionem uma verdadeira imersão.

Os profissionais de Marketing tendem a apresentar conteúdos em formatos estáticos, como PDFs e Infográficos, por exemplo. Só que eles podem não ter a performance tão positiva quanto a de um conteúdo interativo.

Mas afinal, como produzir esse tipo de conteúdo? Criar micro sites ou páginas HTML, como Landing Pages, é uma ótima maneira de criar uma experiência mais interativa e fora do padrão. Eles também são uma oportunidade para testar novas ideias e colaborar com parceiros.

Que tal um exemplo? Os estudos de caso do Growth design trazem um conteúdo com formato único, simulando a experiência dos quadrinhos, mas no formato animado. Veja o exemplo do conteúdo chamado A psicologia por trás do feed viciante do TikTok:

Quais as melhores ferramentas de Marketing de Conteúdo?

A escolha das melhores ferramentas de Marketing de Conteúdo depende muito das necessidades e objetivos específicos da empresa. No entanto, algumas ferramentas se destacam no mercado pela sua popularidade, funcionalidade e custo-benefício. 

Separamos os exemplos de ferramentas por tipos, confira a seguir:

Gerenciamento de conteúdo

WordPress:  uma plataforma de gerenciamento de conteúdo (CMS) de código aberto, popular por sua flexibilidade, facilidade de uso e ampla variedade de plugins e temas. 

Rock Content: uma plataforma brasileira de Marketing de Conteúdo que oferece ferramentas para criação, gerenciamento e otimização de conteúdo. 

SEMrush: uma ferramenta de SEO que oferece recursos para pesquisa de palavras-chave, análise de concorrentes, auditoria de sites e rastreamento de rankings. 

Ubersuggest: outro exemplo de ferramenta para SEO que oferece recursos para pesquisa de palavras-chave, análise de concorrentes e ideias de conteúdo. 

Criação de materiais ricos

Canva: essa provavelmente você conhece, afinal é uma popular ferramenta de design online que permite criar diversos tipos de conteúdo visual, como imagens para redes sociais, infográficos, apresentações e eBooks. 

CapCut: outro queridinho dos produtores de conteúdo, o CapCut é um editor de vídeo, disponível para dispositivos móveis e desktops, que oferece diversas ferramentas e recursos para criar, editar e publicar vídeos de alta qualidade para diversas plataformas, como TikTok, Instagram e YouTube.

Adobe Photoshop: um software profissional de edição de imagens que oferece recursos avançados para criar e editar imagens de alta qualidade. 

Audacity: um software de edição de áudio gratuito que permite gravar, editar e mixar áudio para podcasts, entrevistas e outros tipos de conteúdo. 

Camtasia: um software de gravação de tela e edição de vídeo que permite criar tutoriais, demonstrações de produtos e outros tipos de conteúdo em vídeo. 

Distribuição de conteúdo em redes sociais

Buffer: essa ferramenta facilita o agendamento de postagens em várias plataformas de mídia social e fornece análises de desempenho.

RD Station Marketing: ferramenta completa de Marketing, que permite planejar, criar, agendar e monitorar conteúdo nas principais redes sociais, além da criação de páginas de link na bio. Também permite criar Landing Pages, enviar emails em massa e construir fluxos de nutrição. Aproveite para fazer seu teste gratuito.

Ferramenta para agendar posts de Marketing de Conteúdo

Sprout Social: oferece recursos avançados de gerenciamento de mídia social, incluindo programação, monitoramento e relatórios.

Análise de resultados

Google Analytics: uma ferramenta essencial e gratuita de análise web que oferece dados sobre o tráfego do seu site, comportamento do público e conversões. 

Audience Insights: uma solução gratuita do Facebook que oferece dados sobre o desempenho do seu conteúdo nas páginas do Facebook e Instagram. 

BuzzSumo: ótimo exemplo de ferramenta que analisa o conteúdo de maior sucesso nas redes sociais e identifica as tendências do seu nicho. Auxilia na criação de conteúdo que gera engajamento e compartilhamentos.

Além dessas duas mais famosas, existem diversas outras ferramentas de análise de conteúdo disponíveis no mercado, como Hotjar, Crazy Egg e Kissmetrics.

Sentiu falta das ferramentas de Inteligência Artificial? Não precisa sentir mais! No tópico a seguir listamos algumas. 

Ferramentas de Inteligência Artificial para Marketing de Conteúdo

Algumas das ferramentas que citamos anteriormente fazem uso de Inteligencia Artificial, mas os exemplos a seguir são de soluções baseadas em  IA. Confira cada uma delas!

Geração de conteúdo

Jasper AI: uma ferramenta poderosa que gera texto de alta qualidade em diversos formatos, como artigos, blogposts, scripts, emails e anúncios. Ideal para superar o bloqueio de escritor e produzir conteúdo criativo e original.

Pepper Content: uma plataforma brasileira que oferece recursos para geração de texto, tradução, criação de personas e otimização de SEO. Auxilia na produção de conteúdo relevante e adaptado ao seu público-alvo.

Copy.ai: uma solução que gera texto curto e impactante para diversos tipos de conteúdo, como títulos, descrições de produtos e slogans. Ideal para criar conteúdo que engaja e converte.

Gerador de Pautas para Blog: conte com a IA treinada pela RD Station para criar pautas para seu blog. Especifique o assunto do seu texto e receba ideias de conteúdo. Especifique o assunto do seu texto, quanto mais detalhes, melhor, e receba receba ideias de conteúdo. Comece a usar agora mesmo, é gratuito!

Ferramenta de IA para Marketing de Conteúdo

Otimização de conteúdo

Surfer SEO: uma ferramenta que analisa seu conteúdo e sugere otimizações para melhorar o SEO on-page. Auxilia na criação de conteúdo que rankeia bem nos mecanismos de busca e aumenta o tráfego orgânico;

MarketMuse: uma plataforma que usa IA para analisar seu conteúdo e identificar oportunidades de otimização. Fornece insights valiosos para melhorar a relevância, clareza e autoridade do seu conteúdo;

Clearscope: uma ferramenta que gera relatórios detalhados sobre o desempenho do seu conteúdo em termos de SEO. Auxilia na identificação de pontos fortes e fracos para otimizar sua estratégia de conteúdo;

Reescrita de Conteúdo: aprimore seus conteúdos com a ajuda da IA. Basta digitar o conteúdo que será reescrito e a Inteligência Artificial entregará o texto otimizado. É gratuito, comece a usar agora!

Personalização de Conteúdo:

Adobe Target: uma plataforma de otimização de experiência (OEX) que usa IA para personalizar o conteúdo do seu site para cada visitante. Auxilia na criação de uma experiência de usuário mais relevante e engajadora;

Dynamic Yield: uma plataforma de OEX que usa IA para personalizar o conteúdo, as ofertas e as experiências do seu site em tempo real. Auxilia na maximização da conversão e na fidelização de clientes.

12 erros mais comuns do Marketing de Conteúdo

Até agora, falamos muito sobre como fazer Marketing de Conteúdo, assim como algumas boas práticas que adotamos aqui na RD Station. Mas há muitas empresas que, apesar de estarem investindo em Marketing de Conteúdo, fazem isso de maneira errada.

Por isso, para fechar este guia, selecionamos a seguir alguns erros comuns que você deve evitar se quiser desenvolver suas estratégias de Marketing de Conteúdo de maneira correta. Confira!

1. Todo o conteúdo fala sobre sua empresa

Seus clientes não se importam com você, eles se importam com eles mesmos. Muitas vezes esquecemos disso quando ficamos descrevendo o quão maravilhoso nosso produto/serviço é. Não cometa esse erro!

2. Focar na divulgação antes de pensar no conteúdo

Não adianta pensar no orçamento que você precisa ter para começar a divulgar seus conteúdos em mídia paga. Primeiro, identifique que tipo de conteúdo precisa produzir para depois divulgar no lugar certo, que sua audiência marca presença. Talvez você economize bastante e conquiste ótimos resultados nos canais orgânicos!

3. Ausência de chamadas para conversão

O conteúdo deve ser produzido com um objetivo em mente: a conversão. Portanto, todo conteúdo deve também oferecer chamadas (Call-to-Action) e formas de levar o visitante a realizar essa conversão.

4. Focar apenas em um canal

Pare de pensar em divulgar seus conteúdos apenas em um canal. Não pense simplesmente em estar no Instagram ou TikTok porque essa é a tendência do momento. Pense em formas de resolver os problemas do seu cliente e esteja nos diferentes lugares em que eles estiverem.

5. Não pensar como uma empresa de mídia

Sua comunicação deve ser levada a sério, seguindo um calendário e garantindo uma frequência na publicação de conteúdo. Sem isso, é muito provável que você se perca no meio do caminho e as publicações atrasem ou deixem de acontecer.

6. Não possuir um responsável pelo conteúdo

O que é de todo mundo não é de ninguém, concorda? Por isso, tenha alguém responsável por garantir que o calendário de conteúdos está sendo seguido e os objetivos alcançados.

7. Não estar imerso no seu mercado

Você tem de estar em todos os lugares que os seus clientes estão. Isso é importante para ter clareza de quais conteúdos precisa produzir se quer mesmo ajudar a resolver os principais problemas deles.

8. Olhar apenas para métricas de vaidade

Como o próprio nome já diz, as métricas de vaidade, que geralmente são reportadas por meio das redes sociais, não ajudam a medir o sucesso real das suas ações. Elas ajudam, sim, a ter uma visão de resultados, mas um gerente de Marketing tem pouco interesse em saber quantos seguidores a empresa tem.

O importante na sua estratégia de conteúdo é saber quantos Leads foram gerados, quantos foram convertidos em Vendas e quanto foi gerado de receita por meio dessa estratégia.

9. Inconsistência ou falta de foco em campanhas

Se você assina um jornal e não o recebe pela manhã, fica descontente, certo? Você faz o mesmo papel com o seu cliente quando deixa de fornecer o conteúdo que vinha fornecendo. Por isso, não deixe seu público na mão.

10. Não pensar em como aparecer bem nas ferramentas de busca

Muito do tráfego do seu site deve vir das ferramentas de busca. Assim, é preciso pensar nelas na hora de criar um conteúdo novo ou mesmo otimizar aqueles que você já tem.

11. Não dar tempo suficiente

Infelizmente, o Marketing de Conteúdo não começa a dar resultados da noite para o dia. O lado bom disso é que, quando a coisa começa a funcionar, os resultados também não desaparecem muito rapidamente. É um ativo de longo prazo.

12. Não pensar em formas de converter e nutrir seu público

Não adianta investir em uma estratégia de Marketing de Conteúdo se seu público apenas visualiza seu conteúdo e não converte. Por isso, pense em formas de obter informações dos seus visitantes, por meio de materiais ricos, eventos e ferramentas. Assim, você poderá continuar nutrindo essas pessoas por email, para criar uma relação mais próxima, enquanto os educa e prepara para a compra.

Por fim, fica o lembrete: quanto mais completa e forte for sua estratégia de Marketing de Conteúdo, sua empresa estará mais próxima de atingir suas metas de Marketing e Vendas. Por isso, conte com o apoio de ferramentas capazes de operacionalizar a sua estratégia. 

O RD Station Marketing, por exemplo, oferece funcionalidades como  envio de emails, criação de Landing Pages e construção de fluxos de nutrição. Assim, é possível transformar visitantes em Leads, oportunidades e clientes! Aproveite para fazer agora seu teste gratuito e construir uma estratégia robusta de Marketing de Conteúdo.

Ferramenta para Marketing de Conteúdo

O que é Marketing de Conteúdo?

Marketing de Conteúdo é uma estratégia de Marketing focada na criação e distribuição de conteúdo relevante (como artigos, ebooks e posts nas redes sociais), sem promover explicitamente a marca.

Para que serve o Marketing de Conteúdo?

Dentre os vários objetivos do Marketing de Conteúdo, os principais são: aumentar a visibilidade da sua marca na internet, aumentar a interação com a sua marca, nutrir a base de Leads, reduzir o CAC, aumentar a confiança e conquistar evangelistas da marca, além de melhorar a experiência do pós-venda.

Qual a importância do Marketing de Conteúdo?

Com o Marketing de Conteúdo, a empresa ajuda seu público-alvo a resolver seus problemas e vira uma autoridade no assunto. Quando eles sentirem a necessidade de buscar um produto ou solução, a sua marca será lembrada e escolhida.

Como fazer Marketing de Conteúdo?

Existem várias formas de aplicar e executar uma boa estratégia de Marketing de Conteúdo. Algumas formas podem ser: por meio de blogs, criação de materiais ricos, vídeos, redes sociais e Email Marketing.

André Siqueira

André Siqueira

Quem escreveu este post

Co-fundador da Resultados Digitais, líder de automação de Marketing na América Latina e nos 8 primeiros anos da empresa liderou a criação e escalada da área de Marketing, tida como referência no Brasil. Do Marketing partiu para uma nova unidade de negócios, focada no desenvolvimento de um produto de educação. Pela RD se tornou também Empreendedor Endeavor e recebeu os prêmios de Empreendedores do Ano pela Endeavor (2017) e pela Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios na categoria serviços (2015). Também foi eleito um dos Forbes Under30 em 2019. Formado em administração pela Universidade Federal de Santa Catarina, foi professor de marketing digital na pós gradução da PUC RS, Be Academy, Estácio (SC) e Sustentare. Também foi eleito o profissional do ano em Inbound Marketing três vezes consecutivas pelo Prêmio Digitalks (2016, 2017 e 2018).

Veja também

Marketing
Cases de SEO: como duas empresas estão aproveitando o canal orgânico para fechar mais negócios
Marketing
Por que Marketing Digital é tão importante neste momento de crise?
Marketing
O que é UTM e como criar parâmetros para suas URLs com um Gerador de UTM (URL Builder)